GÊNGIS-CÃ – O MONGOL QUE CONQUISTOU O MUNDO

Secret History

ljhg;fG:kljhfd;lh;kfjdh;kljhfda;

Golden line of Genghis Khan and His Warriors

clip_image001

Yesukhei baatar, father of Temujin, the future Genghis Khan ruled over the largest of the Hamag Mongol tribes-the Taichuud.

clip_image002

Oulun ekh, mother of Temujin.

clip_image003

Genghis Khan (Temujin)

clip_image004

Burte Oujin, Mother of Genghis Khan‘s four children.

clip_image005

Yesuigen and Yesui khatan – After a second campaign, in 1202 Temujin, the young ruler of the Hamag Mongol defeat Tatars, who poisoned to death his father in 1170, makes Yesugen and Yesui, daughters of hateful Tatars’ chief Ikh Cheren his concubines.

clip_image006

Yesuigen and Yesui khatan – After a second campaign, in 1202 Temujin, the young ruler of the Hamag Mongol defeat Tatars, who poisoned to death his father in 1170, makes Yesugen and Yesui, daughters of hateful Tatars’ chief Ikh Cheren his concubines.

clip_image007

Zuchi, Genghis Khan‘s eldest son. The state of Zuchi’s descendents, later named the Golden Horde. Its frontier stretched to the Dnester and the Crimea in the west and to the Irtysh in the east.

clip_image008

Chagaadai, Genghis Khans second son.

clip_image009

Ugedei, Genghis Khan‘s third son. In 1229 on the Khodoo island in the river Kherlen, the Great Khuraldai elected Ugedei as an official successor to Genghis Khan.

clip_image010

Tului, Genghis Khan‘s youngest son. Tului’s eldest son Munkh was 4lh Khaan of Mongol Empire and died in 1259.

clip_image011

Guyug, Ugudei’s son. Ugudei died in 1241. After four years the Great Khuraldai elected Guyug as the new Khaan. But in two year Guyug died.

clip_image012

Khubilai, Tului’s second son. He is a founder of the Yuan Empire.

clip_image013

Khavt Khasar, Brother of Genghis Khan. In 1215, he launched a campaign against the Chin dynasty and occupied its capital, Beijing, accompanying his Khaan brother.

clip_image014

Mukhulai, ruler of east Tumen, organized by Genghis Khan after a foundation of the Unified Mongol Empire.

clip_image015

Boorchi, ruler of west Tumen.

clip_image016

Subedei. One of the superior commanders of the Genghis Khan. In 1221 Mongol troops under his command invaded Azerbaijan and Georgia and reached the Crimea.

clip_image017

Zelme. He saved Genghis Khan‘s life twice and showed loyality to him. Later, he became one of the close comrade-in-arms of Genghis Khan.

   

The renaissance of Mongolian State

clip_image018

At the beginning of the 20th century, external and internal prerequisites existing in Khalkh Mongolia led to the downfall of the Manchu tyranny. Resistance to the Manchu Qing Empire embraced all of society. In 1900, there was an armed revolt of soldiers in Uliastai. In Ikh Khuree there were a number of uprisings by lamas against the Manchu and China. The movement for the renaissance of the Mongolian State led by Bogd Khan spread nationwide. On the 1 December 1911, Outer Mongolia in effect proclaimed its independence from Manchu domination and intended to unite all Mongolian-speaking people.

On 29 December 1911, Bogd Javzundamba was crowned head of Religion and State, with the title "Elevated by all", and the state was named Mongolia. Bogd Khaan set up five ministries: Internal Affairs, Foreign Affairs, War, Finance and Justice. Thus, at the beginning of the 20th century, the national liberation movement won and the age-old country of Mongolia restored its statehood and independence. But this aim remained unfulfilled due to the expansionist policies of Tsarist Russia and China. In 1919 the Chinese government violated the Russian, Chinese, Mongolian tripartite treaty of 1915, and conquered the Mongolian State through the use of armed force.

clip_image019

This precipitated another upsurge in the national liberation movement in the country and so in 1921 the Khalkh Mongols, the dominant ethnic group in modern Mongolia (Khalkh means shield or protection), under the direction of S.Danzan, D.Bodoo, and Sukhbaatar liberated the Mongolian territory from foreign conquerors. 11 June 1921 was chosen as the day to celebrate the creation of the independent Mongolian state and since that time the date of the victory of the people’s revolution has been celebrated as a national holiday.

From 1921-1924 Mongolia was a republican monarchy. In 1924, however, it became a Soviet-style Republic with one-party system that lasted until 1990. Two key figures dominated the political scene from the mid 1930s to 1984, as leaders of the ruling Mongolian People’s Revolutionary    Party.    Khorloogiin Choibalsan (1895-1952) developed a Soviet-style economy and destroyed theocratic power through political and religious purges, remaining in power until his death in 1952.   Yumjaagiin   Tsedenbal’s (1916-1991) period of tenure was marked by increasingly close integration with the USSR at the same time as following a program of rapid industrialization of the livestock economy and urbanization of nomadic people.

The country, which at the end of the 19th century was viewed by Western historians and some scholars as an almost extinct nation, succeeded in achieving considerable progress in promoting its national economy in areas such as animal husbandry, agriculture and industry and improving standards of living, raising educational and cultural levels, evidence of which can be seen in its economic and social statistics. The country’s population tripled at the end of the 20th century, reaching 2 million. The population’s annual rate of growth increased to 3.5 per cent after 1960. Just over 80 years ago the majority of the population was illiterate, but by 1960 the entire adult population of the Mongolian People’s Republic was able to read and write due to measures undertaken to eradicate illiteracy. This was in sharp contrast to the past when the only education available was provided by monasteries for those destined to become monks.

A special prize was granted by UNESCO in recognition of such striking progress. During the 1960s, the objective of ensuring that all school age children received secondary education was successfully realized. The 20th century witnessed the progress made by Mongolia in fostering the development of its culture, arts, sports and sciences. Mongolian citizen J.Gurragchaa participated in a space flight together with his Soviet colleagues, and carried out tests and studies.

Successors of Genghis Khan

In accordance with the Great Khaan’s last will, the Mongol Empire was divided among his four sons. His eldest son, Zuchi, received the lands west of the Irtysh River. His second son, Tsagaadai, inherited the territory between the rivers Amudarya and Syrdarya. His third son, Ugudei, was given possession of western Mongolia and Tarbagatai. By tradition, the youngest son, Tului, obtained his father’s ancestral land.

In 1229 the Great Hurildai elected Ugudei official successor to Genghis Khan. Ugudei’s name is associated with a number of innovations in the development of the Mongol Empire. He set up a regular horse-relay post service (morin ortoo), which lasted until the mid 20th Century, to ensure prompt communication within the empire’s entire administration as well as the transportation of dignitaries.

In 1230 Ugudei sent troops to Persia that later, in 1231-1239, also invaded the Caucasus. Guided by Genghis Khan‘s will, Ugudei concluded a tactical agreement with the Song dynasty of southern China on joint action against the Chin, and in 1231 he personally led a campaign to crush the Chin Empire and complete the conquest of northern China.

The fourth Khan of the Mongol Empire, Munkh (1251 -1259), also undertook two military campaigns: one headed by his brother Khubilai (founder of the Mongolian Yuan State), was intended to complete the conquest of China, and the other (aimed at invading Iran) was led by his other brother, Hulege. In 1258 Hulege took Baghdad and overthrew the Abbasid dynasty.

The wars waged by Genghis Khan‘s successors resulted in the dispersal of the Mongolian tribes and a considerable reduction in the size of the Mongolian population. On the other hand, however, these wars precipitated the process of unification among various Asian and European tribes, and drew East and West nearer together, something that had never been done before.

After the defeat of the Mongolian Yuan State by the Chinese Min State in 1367, the Mongolian Khans returned from Beijing to their native territory. At this time Mongolia ceased to be the centre of world trade and culture, but the Mongols retained their home territory.

Due to a crisis lasting from 1388 to 1400, various khaans replaced each other as ruler on the territory of modern Mongolia. The eastern and western Mongols’ struggle intensified from the beginning of the 15th century as a result of malevolent actions by Ming China. The strife resuited in the emergence in 1452 of the Mongol Oirad state. Some written sources described this period as the period of small Khaganates. In the second half of the 15th century, the Mongol state was divided into east and west and then subdivided into six principalities. The six principalities included such Mongolian tribes as Khalkh, Ordos, Uriankhai, Tumd, and Yunsheby. The western Mongolian Oirads were comprised of the Mongolian tribes of Durvud, Khoshuud, Torguud and Tsoros. The period from the 17th to the early 20lh century was the bleakest in Mongolian history because of the 275 years of Manchu colonial domination.

 

(EM PORTUGUÊS)

(UM HOMEM COM UM OBJETIVO FIRME, CONVICTO, SÁBIO, TÁTICO QUE TIRAVA PROVEITO DAS FRAQUESAS DO INIMIGO PARA USÁ-LAS CONTRA ELES.)

GÊNGIS-CÃ

O MONGOL QUE CONQUISTOU O MUNDO

"Se das páginas da História se apagassem as narrativas de todas as batalhas, salvo as de Gêngis-Cã, ainda assim o soldado ficaria na posse duma mina de indizível riqueza, de onde poderia extrair frações de conhecimento útil no aperfeiçoamento dum exército moderno." Quem disse isso foi o General Douglas MacArthur.

Segundo MacArthur, o soldado não pode aprender a arte de guerra tão-somente; embora as armas evoluam e se transforme, ele deve procurar no passado os princípios fundamentais da sua técnica. Ora, em parte alguma esses princípios se podem encontrar mais vivamente expressos do que na colorida e legendária carreira do Imperador dos Mongóis – há 750 anos.

Gêngis-Cã englobou por conquistas o maior dos impérios que a face da Terra já suportou. Estendeu-se o império mongol desde o Pacífico à Europa Central, abrangendo a maior parte do mundo então conhecido, e mais metade de sua população. Sua cidade de Caracorum na Mongólia central se tornou a mais importante capital do mundo oriental, e ameaçou tragar as forças da Cristandade.

Napoleão acabou vencido e prisioneiro. O Grão-Cã nunca perdeu uma batalha decisiva. Morreu velho, no ápice das vitórias, e quando o seu império se dilatava ainda vigorosamente. Alexandre e César ficaram devendo muito aos seus predecessores, que criaram a falange macedônia e a legião romana; quanto a Gêngis-Cã, ele próprio inventou sua máquina de guerra. Os seus exércitos eram quase numericamente inferiores aos do adversário. É mesmo possível que ele nunca tenha conseguido por em luta mais de 200.000 soldados; mas com essa força relativamente pequena pulverizou impérios de milhões. Foi provavelmente o soldado mais feliz de toda a História. O nome Gêngis-Cã significa: O Mais Poderoso dos Soberanos. Ele próprio escolheu esse título orgulhoso, tendo sido conhecido modestamente, nos anos da mocidade, por Temujin.

Temujin contava apenas 13 anos de idade quando seu pai foi envenenado por inimigos; embora novo, já tinha a estatura e a força de um homem. Era capaz de montar um dia inteiro a cavalo e disparar uma flecha de grande peso. Era tão robusto de espírito quanto de corpo, e decidiu suceder o pai, como chefe duma tribo de rijos nômades, que forrageavam a magra subsistência nas ásperas estepes do platô asiático. Mas os homens da tribo recusaram-se a acatá-lo, e os outros chefes resolveram desembaraçar-se do jovem rival. Perseguiram- no como a uma fera através das estepes, agarraram-no e impuseram-lhe um pesado jugo ao pescoço, encadeando-se os pulsos ao mesmo, à moda da Ásia. Uma noite, o preso abateu o guarda com uma pancada desse jugo de madeira, e evadiu-se através do acampamento adormecido. Escondido num ribeiro presenciou a batida que deram os cavaleiros da tribo ao longo das margens, em sua busca. Mais tarde arrastou-se para fora da água, e convenceu um caçador errante, que encontrou, a libertá-lo do jugo e das algemas.

A história desses primeiros anos é uma longa crônica de fugas audaciosas e arriscadas à traição e à perseguição. Mas o jovem nunca abandonou o seu firme propósito de abrir caminho para o poder, de armas na mão. Não tinha ainda 20 anos quando o fizeram chefe. Começou então a intrigar e a combater, para atrair outras tribos a confederar-se com a sua. Das intrigas e batalhas saía sempre feito chefe. Matava invariavelmente todo aquele que procurasse partilhar com ele o poder. Tinha um primo, Jamuga. Nos tempos difíceis, ele e Jamuga haviam dormido juntos debaixo da mesma pele de carneiro, tinham compartilhado as magras refeições, caçando juntos os ratos do campo, quando não havia outra coisa que comer. Mas Jamuga não estava contente de se sentir subordinado, e convocou os seus seguidores. A batalha tornou-se inevitável, e ao fim desta era êle um prisioneiro, de pé, humilhado, na presença do primo, que serenamente o mandou estrangular.

Togrul fora amigo do pai de Tamujin, e ajudara o rapaz em mais de um momento de embaraço. Mas quando o chefe mais velho mostrou relutância em submeter-se às suas ordens, Tamujin mandou matá-lo. Em contraste com isso, recompensava à larga aqueles que se mostrassem ansiosos em servir sob as suas ordens. Correram os anos, e o chefe estabeleceu o seu quartel-general em Caracorum, a Cidade da Areias Pretas – simples grupo de tendas à beira da grande estrada das caravanas que iam de Este a Oeste. Temujin, muito hábil, não molestava as caravanas: reservava-lhes outro papel, muito mais importante, nos seus planos do futuro…

Era uma figura robusta, sempre envolto em peles de carneiro e couro endurecido, com a ligeireza e a flexibilidade do homem que passa a vida montado numa sela. A face coriácea, de linhas profundamente talhadas, tinha uma camada de gordura que protegia dos frios e dos ventos causticantes da estepe. É mais provável que nunca a lavasse mais de uma vez por ano. Seus olhos, bem separados um do outro sob a fronte em declive, irritados pela poeira ardente do deserto, fulguravam com dura intensidade. Falava pouco, e só após madura reflexão.

Aos 50 anos. Temujin tinha unido as tribos da Ásia Central numa só força unida, de que era ele o chefe único e acatado. sua fama espalhou-se para além das estepes. Assim mesmo, se por essa época uma seta inimiga tivesse podido encontrar o ponto fraco da sua armadura de couro, a História ter-se-ia limitado, quando muito, a mencionar o seu nome. os grandes feitos se sucederam e acumularam nos últimos 16 anos de sua existência. Tinha levado a vida a aprestar um instrumento de guerra para a conquista do mundo, e pôs-se em marcha para utilizá-lo.

A Leste estendia-se a China, a mais velha civilização do globo. Estava então dividida em dois impérios, o Kin e o Sung. A Oeste ficava-lhe o Islã, formado duma série de nações em que se tinham fragmentado as conquistas do grande Maomé e seus herdeiros. Mais longe ainda, para o ocidente, estava a Rússia, nesse tempo uma magna de pequenos estados, e a Europa Central, aglomerado confuso de grandes e pequenas soberanias. Atacou primeiro a China. Rompeu caminho através da Grande Muralha, e suas colunas derramaram-se como uma inundação pelos livres espaços do Kin, ou império do norte. A capital, Yemking, foi capturada e o imperador fugiu tomado de pavor. A sua derrota fora completa.

Três anos depois Gêngis-Cã marchou para o ocidente. Dentro de poucos meses a soldadesca mongol saqueava a rica e poderosa Samarcanda, e o sultão punha-se em fuga, para não perder a vida com o poder.

Nos anos que se seguiram, os exércitos do Grão-Cã levaram a invasão para a Ásia Menor, até as planuras do Indostão, dominaram o sudoeste da Ásia e penetraram pela Rússia até o coração da Europa Central. A que atribuir tamanhas vitórias? Gêngis-Cã possuía uma vontade indomável, uma violenta energia física e mental, uma ilimitada crueldade. Mas seu poderio alicerçava-se em algo mais.

Gêngis-Cã tinha a virtude de se desembaraçar das tradições e de ir direto aos problemas com uma atitude inteiramente nova. Sabia aproveitar todos os processos, técnicas e armas disponíveis, e adaptá-los até ao mínimo pormenor às suas próprias necessidades. Foi ele o primeiro a organizar uma nação inteira para o propósito exclusivo de fazer guerra: tinha há 700 anos o conceito, que nos habituamos a considerar moderno, da guerra total. Esplêndida era a matéria-prima que lhe ofereciam o cavalo mongol e o seu cavaleiro. O cavalo, infatigável, podia marchar mesmo que só lhe dessem de beber de três em três dias; sabia encontrar o alimento em todas e quaisquer condições, escavando com as patas a neve e o gelo, para encontrar restos de erva seca. O cavaleiro podia manter-se na sela um dia e uma noite, dormir na neve, e galopar ou guerrear com pouco ou nenhum alimento no estômago. Era guerreiro por natureza, fora criado em combates corpo a corpo, e tinham-lhe ensinado a disparar setas na idade em que começava a aprender a falar.

Ao proceder ao equipamento deste soldado nato é que Gêngis-Cã mostrou o seu gênio dos planos e pormenores. A couraça do mongol era couro cru, endurecido e envernizado. Cada soldado tinha dois arcos, um para usar montado, outro, mais preciso no tiro, para usar em combate de pé. Levava três tipos de flechas: para grande, médio e pequeno alcance. As de pequeno alcance, pesadas e com pontas de aço, destinavam-se a transpassar as couraças dos inimigos. Cada soldado levava consigo uma ração suplementar de coalhada seca: um quarto de quilo lhe bastava para se manter um dia inteiro em combate; tinha uma reserva de cordas para a besta, e cera e agulha para os reparos de urgência. Carregava o equipamento num saco de couro, que se podia encher de ar quando fosse necessário atravessar cursos de água. O exército dividia-se em formações de dez, cem, mil e dez mil homens. Além de combatentes propriamente ditos, ainda havia as tropas auxiliares: engenheiros e especialistas que manejavam catapultas e outros aparelhos de cerco, o corpo de abastecimento, serviço de remonta, guardas do arsenal, um departamento de objetos perdidos e achados. Atrás do exército estava a nação inteira, trabalhando para produzir mantimentos e material para as tropas, ao mesmo tempo em que vivia de quantidades mínimas possíveis.

A tática desenvolvida no combate era uma maravilha de precisão, adquirida mediante intenso treino. A formação de batalha era cinco colunas, ficando os batalhões separados por vastos intervalos. Na frente marchavam as tropas de choque. Pesadamente couraçadas, manejavam sabres, lanças e maças. À retaguarda iam os arqueiros ou besteiros montados. Os arqueiros avançavam a galope através dos intervalos abertos entre os batalhões de soldados de choque, e disparavam setas ao mesmo tempo em que carregava a toda a força. Quando relativamente perto do inimigo, desmontavam, passavam a usar as bestas ou arcos mais pesados e a lançar nuvens de setas pesadas. A essência do ataque estava na intensidade e concentração do tiro, até então desconhecidas.

Quando fileiras inimigas se mostravam desorganizadas, as tropas de choque carregavam para consumar a derrota. Era uma combinação perfeitamente coordenada e fluida. Não havia vozes de comando: as ordens eram transmitidas por sinais, com bandeiras brancas e pretas. O ataque mongol tinha êxito graças à superioridade das armas, a rapidez em por essas armas em contato com o adversário e por fim à intensidade e precisão do tiro. Os exércitos da China, os velozes guerreiros do Islã, os cavaleiros e homens de armas da Cristandade, todos eles foram abaixo diante das nuvens de setas do mongol. O inimigo entrava habitualmente em pânico antes mesmo das tropas de choque começar a ação.

Muito embora as tropas do Grão-Cã fossem excedidas em número pelo adversário, ele tinha quase sempre à mão a massa de soldados necessários para travar a batalha decisiva. Sabia como dividir as forças inimigas e concentrar as próprias. Era um consumado mistificador, que surgia num lugar enquanto o inimigo andava às apalpadelas, buscando-o noutro. Ganhava batalhas mais pelos movimentos envolventes do que por ataques frontais, diretos e custosos.

Algumas de suas campanhas foram antecipadamente meio ganhas pela propaganda, quando os exércitos ainda não tinham entrado em campo. No uso das palavras como armas, nenhum comandante ultrapassou este bárbaro, que não sabia ler nem escrever. A sua “quinta-coluna” era constituída pelos mercadores das caravanas. Por intermédio deles alugava agentes e espiões em todos os países que pretendia conquistar. Estuda a geografia, o povo, a política da nação visada; procurava descobrir os elementos insatisfeitos e pô-los em conflito aberto com o poder.

Seus espiões nos países islâmicos informaram-lhe que a mãe do sultão tinha ciúmes do poderio de seu filho. Gêngis-Cã ditou uma carta à mãe ciumenta, supostamente em resposta a uma carta dela, agradecendo-lhe a oferta de assistência que ela lhe fizera… Depois, organizou as coisas de modo que o mensageiro caísse nas mãos do sultão. Quando Gêngis-Cã levantou o grito de guerra, seus exércitos encontraram o país à beira da guerra civil!

Servia-se também da propaganda como uma arma de terror. Tinha por hábito informar a nação que se preparava para invadir das coisas pavorosas que tinham acontecido aqueles que haviam ousado resistir a Gêngis-Cã… Submetam-se ou serão aniquilados, era seu aviso. E quando o inimigo se submetia por medo, ele dava o golpe – e aniquilava-o da mesma forma que todos os outros. Também fazia hábil uso doméstico da propaganda, para fomentar o moral, como diríamos hoje. Prestigiava a profissão do soldado, procurando fazer parecer natural que toda a gente se sacrificasse para manter o soldado em campanha. Ensinou ao seu povo que os mongóis eram uma raça superior, diferente das demais.

Para Gêngis-Cã a política do terrorismo era destituída de paixão, uma coisa fria e lúcida. Se uma cidade lhe opunha resistência, ele incendiava-a, massacrando homens, mulheres e crianças sem distinção num processo de aniquilamento sistemático. Quando o seu exército passava adiante, deixava um punhado de soldados e um bando de cativos ocultos nas ruínas; a certa altura, os soldados forçavam os cativos a sair pelas ruas da cidade gritando que os mongóis já se haviam retirado. Ao ouvir essas vozes, os poucos habitantes que, escondidos, tinham escapado saíam ao ar livre, e eram chacinados. Para evitar dúvidas, decapitavam-se os mortos. Só numa cidade foram massacradas 500.000 pessoas. A História não possui elementos para computar quantos milhões de cadávers se amontoaram na trilha do conquistador…

Tal era a máquina de guerra com que Gêngis-Cã conquistou meio mundo. Veio ele a morrer em campanha, à idade de 66 anos, em 1227, estando no auge do poder. Após a sua morte a máquina continuou rolando. Os herdeiros do Grão-Mongol acabaram de conquistar a China, do norte e do sul. Assenhorearam-se de toda a Ásia. Penetraram mais fundo na Europa, bateram os húngaros, os poloneses, os alemães: ninguém podia interpor-se no seu caminho. O poderio mongólico era ainda formidável ao tempo de Cublai, neto do Grão-Mogol. Pulverizou-se por fim entre mãos de descendentes degenerados, e hoje os mongóis são de novo, apenas, um grupo de tribos nômades. Caracorum foi tragada pelas areias irrequietas do deserto de Gobi, e seu nome quase de todo se apagou da memória dos homens.

Esse post foi publicado em HISTORY. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s