Literatura Inglesa – William Blake – biografia

 

William Blake

 

blake.jpg (3594 bytes)
William Blake
nasceu em Londres em 1757, onde viveu praticamente quase toda a sua vida, morrendo em 1827. Filho de um comerciante rico, desde criança gostava de ler e desenhar. Aos dez anos de idade, foi enviado à escola de desenho e, aos quatorze anos, tornou-se aprendiz do famoso gravador James Basire. Dois anos depois, Blake começou a estudar e desenhar as igrejas de Londres, particularmente Abadia de Westminster cuja estilo gótico grandioso impressionou e o fascinou muito.

William Blake foi o primeiro dos grandes poetas Românticos ingleses, como também pintor, impressor, e um dos maiores gravadores da história inglesa. Suas imagens incluem o poeta do século 17, John Milton, descendo dos céus na forma de um cometa e caindo sobre o teto do pintor.

William Blake como tinha estado escrevendo poesia desde os onze anos, teve seus poemas impressos, em 1792, sob o título de " Poetical Sketches ".

Os poemas eram expressão espontânea de um gênio original e visto como um prodígio. A métrica empregada por ele recorre em grande parte ao verso em branco que era uma característica criativa da era Elizabetana.

A partir de 1784, Blake começa a publicar vários de seus poemas: Song of Innocence" e " The Book of Thel " que foi seguido brevemente por " The Marriage of Heaven and Hell ". Os livros eram todos gravados e impressos por ele com auxílio da esposa.

Blake foi um rebelde toda a vida; uma voz solitária contra a marcha da ciência e da razão. Talvez por isso tenha sido visto por seus contemporâneos como um lunático e tenha desfrutado de pouco sucesso quando vivo. Ele falava com anjos nas árvores e uma vez foi encontrado no jardim com sua mulher, ambos nus, brincando de Adão e Eva.
Ao longo de toda a sua vida, William Blake foi incomodado pela pobreza, sendo amenizada por alguns amigos. Reclamou sobre a falta de reconhecimento de seu trabalho, mas percebeu logo que não estava só. Escreveu num desabafo:
"Até Milton e Shakespeare não puderam publicar seus trabalhos".

ancient.jpg (12220 bytes)

A partir de 1794 dedicou-se a trabalhos mais poéticos e, entre eles, " The Gates of Paradise " e " Song of Experience ". Ilustrava com aquarelas seus poemas e trabalhos de amigos.

A maioria das pinturas de Blake (como "The Ancient of Days" sobre a fachada para a Europe: a Prophecy ) é de fato impressões feitas de pratos de cobre que ele cauterizou em um método ele escreveu Ter sido revelado a ele em um sonho. Ele e a esposa coloriram estas impressões com cores de água. Assim cada impressão é uma obra de arte sem igual.

Blake freqüentemente é chamado de místico, mas isto não é realmente preciso. Ele escreveu deliberadamente no estilo dos profetas hebreus e escritores apocalípticos. Ele pressentiu que seus trabalhos eram como expressões de profecias, enquanto seguia nos passos de Milton. Na realidade, ele acreditou claramente que foi a incorporação viva do espírito de Milton.

Aos 67 anos William Blake começou os desenhos para o " Inferno " da Divina Comédia de Dante, e foi tão dedicado que aprendeu o italiano para aprofundar melhor no universo de Dante; trabalhando nestes desenhos até os últimos dias de sua vida.

O trabalho Blake é a maioria das vezes analisado e julgado sob óticas pequenas. Mas os seus escritos iluminados e gravuras são todos, polegadas em tamanho, contudo, quando estudado, são detalhes meticulosos usados por ele, cada trabalho é visto como uma parte de um todo titânico, de um gênio.
evil.jpg (9541 bytes)

Literatura Inglesa – William Blake – biografia

                                                         POEM

                                                       LONDON

                                                  WILLIAM BLAKE

                                     TRADUÇÃO DE LAERCIO VENTURINI

                 LONDON                                                                                       LONDRES

 

I wander thro’ each charter’d street,                                      Em cada rua escriturada em que ando,

Near where the charter’d Thames does flow,                          Onde o Tâmisa escriturado passa,

And mark in every face I meet                                             Eu nos rostos que encontro vou notando

Marks of weakness, marks of woe,                                       Os sinais da doença e da desgraça.

 

In every cry of every Man,                                                  Ouço nos gritos que os adultos dão,

In every Infant’s cry of fear,                                                E nos gritos de medo do inocente,

In every voice, in every ban,                                               Em cada voz, em cada interdição,

The mind-forg’d manacles I hear.                                         As algemas forjadas pela mente.

 

How the Chimney-sweeper’s cry                                           Se o Limpa-Chaminés acso grita,

Every blacking Church appalls;                                             Assusta a Igreja escura pelos anos;

And the hapless Soldier’s sigh                                               Se o soldado suspira de desdita,

Runs in blood down Palace walls.                                           O sangue mancha os muros palacianos.

 

But most thro’ midnight streets I hear                                    Mas o que mais à meia-noite é ouvido

How the youthful Harlot’s curse                                             É a rameira a lançar praga fatal,

Blasts the new-born Infant’s tear,                                          Que estanca o pranto do recém-nascido

And blights with plagues the Marriage hearse.                         E empesteia a mortalha conjugal.

 

 

" CHARTERED" STREETS / "CHARTERED" THAMES

O termo "chartered" sugere não apenas que as ruas e o próprio Támisa

foram "escriturados", ou registrados oficialmente no mapa da cidade pelos

órgãos públicos, mas também que foram cedidos para usufruto de alguns

privilegiados, dentro de uma organização social estruturada para oprimir

os indivíduos. Infelizmente, devido às diferenças com nosso contexto histórico

e cultural, não nos foi possível captar com um só termo todos esses matizes.

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s